Icono información

Aviso de cookies

Usamos cookies próprias para melhorar os nossos serviços, mediante a análise dos seus hábitos de navegação. Se continua a navegar nesta página, consideramos que aceita o seu uso nos termos indicados na Política de Cookies. Mais Informação.

Ação SAN (Madrid) Negativo_PT 3.953 | -0.3% | 11:55

Está na

Como foi projectada a Cidade

O gabinete KR & JD (Kevin Roche e John Dankeloo) apresentou o projecto que ganhou o concurso internacional lançado pelo Grupo Santander, ao qual também concorreram a Norman Foster & Partners, Rafael Moneo e KMD (Kaplan, Mc Laughlin Díaz), da Califórnia.

Kevin Roche (Dublin, 1922) é um dos principais exponentes da arquitectura pós-moderna norte-americana. Discípulo de Mies van der Rohe, desenvolveu uma arquitectura essencialmente caracterizada pela utilização do vidro. Os seus imponentes edifícios envidraçados valeram-lhe, em 1982, o prémio Pritzker, o galardão mais prestigiado da arquitectura. Entre as suas obras mais destacadas contam-se centros corporativos emblemáticos — a Ford Foundation (Nova Iorque) e a Fiat (Turum) —, para além de outros projectos memoráveis, como a Praça das Nações Unidas e a ampliação do Metropolitan Museum, em Nova Iorque.

O projecto da Roche para a Cidade Grupo Santander tinha um marcado carácter espanhol, com edifícios de pouca altura interligados graças a um conjunto de pátios, praças e lâminas de água. Além disso, resolvia de uma forma brilhante os requisitos ambientais. Em Maio de 2002, foram iniciados os movimentos de terras e, dois anos mais tarde, em 13 de Abril de 2004, começou a transferência dos empregados para os edifícios centrais a um ritmo de 500 pessoas por semana. A Cidade foi construída em tempo recorde
e, em finais de Julho de 2004, já se tinham instalado lá mais de 4000 empregados. Além disso, foi dada resposta às principais preocupações dos empregados: comida, transporte, horários, desportos e creche.

A construção da Cidade Grupo Santander foi a segunda maior obra executada na Europa em 2003, depois do Terminal 4 do Aeroporto de Madrid-Barajas. A Cidade está ligada ao centro financeiro de Madrid pelas auto-estradas do nordeste, a M-40, a M-50 e a estrada de Boadilla M-511, bem como pelo comboio rápido que liga o complexo com a extensa rede de metro e transportes públicos da Comunidade de Madrid.