Icono información

Aviso de cookies

Usamos cookies próprias para melhorar os nossos serviços, mediante a análise dos seus hábitos de navegação. Se continua a navegar nesta página, consideramos que aceita o seu uso nos termos indicados na Política de Cookies. Mais Informação.

Ação SAN (Madrid) Negativo_PT 3.952 | -0.33% | 13:16

200.000 euros para um projecto empreendedor da Universidade de Coimbra

11 de septiembre de 2012.- A LaserLeap Technologies recebeu o primeiro prémio da AVCRI-RedEmprendia, patrocinado pela Banco Santander, a través da Divisão Global Santander Universidades.

O seu projecto, uma spin-off da Universidade de Coimbra (UC), prepara o lançamento no mercado de uma seringa laser que administra medicamentos de forma mais rápida, eficaz e sem dor. “Não deixa marcas na pele e reduz as possibilidades de contrair infecções”, assegura o professor Luís Arnaut, fundador da LaserLeap Technologies, juntamente com os investigadores Carlos Serpa e Gonçalo de Sá.

Este projecto foi o vencedor do primeiro prémio AVCRI-RedEmprendia, que fomenta a valorização e comercialização de investigações universitárias com potencial inovador. O Banco Santander entregou, como prémio, 200.000 euros, divididos por dois anos.

“O prémio serviu-me para contratar recursos humanos, construir protótipos e realizar testes de conceito”, contou Arnaut. “Foi o contributo mais importante que tivemos até agora para dar credibilidade à nossa tecnologia”.

A seringa laser transforma um impulso curto de luz num impulso de ultra-sons, que provoca na pele uma variação de pressão, tornando-a mais permeável. Pode ser utilizada para a administração de anestésicos, vacinas, tratamentos para o cancro de pele, fármacos biotecnológicos e, até, tratamentos cosméticos.

Em 2013, será pedida ao mercado europeu a autorização para introduzir esta nova tecnologia. O objectivo é continuar a desenvolver a LaserLeap para que a sua utilização “seja generalizada a uma parte importante dos tratamentos dermatológicos e cosméticos”, assegura Arnaut, para quem “a convivência entre o mundo académico e a empresa é a única forma de manter a competitividade na nossa sociedade”.

Descarregar PDF 67Kb

Partilhar nas redes sociais

Subir

Imprimir