Icono información

Cookie policy

We use our own cookies to improve our services while analysing your navigation habits. If you continue navigating through this page, we understand that you accept their use in the terms laid down in the Policy of Cookies. More information.

SAN share (Madrid) Negativo_GB 4.093 | -2.35% | 17:36

Prémio de Investigação Santander Totta/UNL atribuído a projeto sobre o Alzheimer tardio (Only available in Portuguese)

Lisboa, 6 de Abril de 2015-. O vencedor da oitava edição do Prémio de Investigação Colaborativa Santander Totta /Universidade NOVA de Lisboa, dedicada às Ciências da Vida, y respaldado por el Banco através do Santander Universidades, é o trabalho “Recapitulação da doença de Alzheimer de início tardio usando culturas tridimensionais de neurónios humanos”.

“O projecto permitirá criar um modelo experimental de doença de Alzheimer (AD) de início tardio que poderá ser usado para estudos mais aprofundados do mecanismo de indução da doença e também para testes personalizados de novas estratégias terapêuticas adaptadas a cada doente” explica Cláudia Almeida, investigadora do CEDOC (Chronic Diseases Research Center) da NOVA Medical School / Faculdade de Ciências Médicas, que lidera a equipa de investigadores.

A equipa vencedora conta ainda com a investigadora Catarina Brito, da Unidade de Tecnologia de Células Animais do ITQB e IBET (Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier e Instituto de Biologia Experimental e Tecnológica): “Este prémio irá permitir iniciar uma nova fase deste grupo de investigação, criando um modelo experimental recorrendo a neurónios induzidos a partir de fibroblastos adultos e que poderá abrir caminho no futuro a uma medicina personalizada a doentes com Alzheimer” acrescenta a investigadora.

A doença de Alzheimer (AD) é a forma mais comum das doenças relacionadas com a demência relacionada com a idade. É uma doença neurodegenerativa incapacitante para a qual não existe um tratamento eficaz. A forma tardia da doença, que ocorre após os 65 anos de idade, é a mais comum e afeta mais de 99% dos pacientes diagnosticados com AD de causa multifactorial. Os tratamentos correntes combatem os sintomas e não as causas da doença. Sabe-se que o mecanismo de desenvolvimento da doença envolve a produção excessiva de beta-amilóide, um péptido tóxico que danifica as sinapses, elementos fundamentais dos mecanismos de formação de novas memórias.

O prémio, no valor de 25 mil euros, resulta de um acordo de colaboração entre a Universidade e o Banco Santander Totta, e tem como objetivo distinguir projetos de investigação colaborativa nas áreas das Ciências da Vida, das Ciências Sociais e Humanas e das Ciências Exatas e Engenharias. Foram admitidos a concurso, para a edição deste ano, os projetos de investigação da área das Ciências da Vida.

A relação com o Ensino Superior continua a ser a grande prioridade da política de Responsabilidade da Accione Social do Santander Totta que, através do Santander Universidades, colabora actualmente com 46 universidades portuguesas. Em 2014, o Banco investiu 5,6 milhões de euros em acções de responsabilidade social corporativa. Deste investimento, 90% destinou-se ao Ensino Superior, através do apoio ao conhecimento, à Mobilidade Internacional e da concessão de Bolsas de Mérito e Prémios Científicos.

Banco Santander, a través da Santander Universidades, mantém cerca da 1.200 convénios de colaboração com universidades e centros de investigação de todo o mundo. Mais informação: www.santander.com/universidades e https://www.santandertotta.pt/pt_PT/Particulares/Solu%C3%A7%C3%B5es/Para-Mim/Universitarios.html.

Download PDF 194 Kb (Only available in Portuguese) 

Share in Social Networks

Go up

Print